A PAZ DE DEUS

Seguidores

Total de visualizações de página

sábado, 1 de outubro de 2011

A LIBERDADE CRISTA,O QUE É?E COMO USA LA?









"Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pela caridade. Porque toda a lei se cumpre numa só palavra, nesta: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. Se vós, porém, vos mordeis e devorais uns aos outros, vede não vos consumais também uns aos outros. Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne", Gálatas 5:13-16.

INTRODUÇÃO

Em Gálatas 5:1, Paulo exorta os Gálatas e a nós ficarmos "firmes na liberdade com que Cristo nos libertou", e não mais meter-nos "debaixo do jugo da servidão". Agora, no versículo 13 ele nos avisa contra o abuso desta liberdade da justificação cristã. Eis uma prova ampla de que a doutrina da justificação pela fé, sem as obras, é verdadeira. De outro modo, esta exortação não seria necessária. Se Paulo estivesse pregando a justificação pelas obras, não haveria sentido para tal exortação. Nós, que pregamos a salvação pela graça, por meio da fé e sem as obras, deveríamos também avisar contra o abuso da doutrina. Quem quiser ser salvo pela graça e então usar esta verdade como desculpa para pecar, mostra que não está na graça. Tanto no tempo de Paulo como em nossos dias, há quem diga: "Se a lei foi satisfeita por Cristo, e se somos salvos pela fé nEle - de tal maneira que não podemos perder esta salvação, então podemos continuar a viver em pecado". Spurgeon respondeu assim a tal argumento: "Homem, você fala assim porque nunca nasceu de novo". E poderá acrescentar que este é um argumento irracional. Dizer que porque Deus é bom eu posso agir como um demônio - que porque Ele me salva a um custo infinito de Sua parte e sem nenhum custo para mim, devo sentir que não lhe devo nada - que escolhido na eternidade em Jesus Cristo para ser santo, devo ver o quão ímpio posso ser - que sendo nascido de novo, não mostre nenhuma educação. Com certeza, ninguém que tenha nascido novamente, e está em estado de graça, pensa ou argumenta deste modo. Paulo dá o antídoto para tal raciocínio em outro lugar, ao dizer: "Julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou", 2 Coríntios 5:14-15
"Continua"

Nenhum comentário:

Postar um comentário