A PAZ DE DEUS

Seguidores

Total de visualizações de página

sábado, 1 de outubro de 2011

Pai, Mãe e Filho


O amor de família é o laço mais básico de relações humanas. Desde o sexto dia da criação, quando Deus fez o primeiro casal e ordenou o casamento, os seres humanos têm-se beneficiado das bênçãos de amar e serem amados por pessoas queridas.
Laços familiares freqüentemente são empregados como figuras para descrever a intimidade dos nossos relacionamentos espirituais. Os mais óbvios são a relação de pai (Deus) e filhos (os fiéis), e a de irmãos (co-herdeiros da graça de Deus).
Às vezes, a mesma pessoa pode usar termos diferentes para caracterizar a sua comunhão com outros discípulos. É o que Paulo faz na sua primeira carta aos tessalonicenses. No mesmo capítulo (2), ele se descreve como mãe, pai e filho em relação aos tessalonicenses. Ele mostrou o carinho de uma mãe, e disse que até daria a sua própria vida para o bem desses “filhos” (2:7-8). Ao mesmo tempo, ele demonstrou uma certa rigidez em corrigir os discípulos, como um pai exorta, consola e admoesta os seus filhos (2:11-12). Poucos versículos depois, ele assume a posição de filho, e diz que foi “orfanado” por breve tempo da presença dos tessalonicenses (2:17).
O que aprendemos desses comentários de Paulo? A relação de cristãos, um com o outro, tem várias facetas. A mesma pessoa pode mostrar o carinho de mãe numa ocasião e corrigir como pai em outra. Mais ainda, ela pode passar por momentos de carência como um filho que precisa da presença dos pais.
É fácil esquecer desse exemplo de Paulo. Algumas pessoas se acham fortes e nunca aprendem depender de seus irmãos. Outras sempre se acham carentes e constantemente procuram receber ajuda e direção dos outros. Mas a relação de cristãos é uma de interdependência. Em algumas ocasiões, somos fortes e damos ajuda aos outros. Mas quando precisarmos, devemos ser humildes para receber o carinho e apoio de irmãos. É assim que Paulo disse aos romanos: “...para que, em vossa companhia, reciprocamente nos confortemos por intermédio da fé mútua, vossa e minha” (Romanos 1:12).   

Nenhum comentário:

Postar um comentário